23 de set de 2008

Especialistas da América Latina discutem legalização do aborto em São Paulo

A defesa da autonomia reprodutiva das mulheres será tema de discussão entre especialistas em um seminário latino-americano nos próximos dias 24 e 25 de setembro, em São Paulo.

Os objetivos principais são contribuir com estratégias para a legalização do aborto no Brasil; trocar experiências de êxito diante de cenários de retrocessos, para dar visibilidade aos avanços alcançados e a iniciativas de resistências em outros países; e fortalecer a articulação das organizações e movimentos sociais na sua ação em defesa à descriminalização do aborto.

O seminário “Estratégias Latino-Americanas pela Legalização do Aborto e Autonomia Reprodutiva das Mulheres” contará com a participação de renomadas feministas de países como Uruguai, Bolívia e Peru, além de Beatriz Galli, do Ipas Brasil, Natalia Mori, do Centro Feminista de Estudos e Assessoria, e Ana Lima Pimentel, da União Nacional dos Estudantes, que estarão na mesa de debate sobre experiências de avanços e resistências à legalização do aborto no Brasil; Silvia Camurça, da Articulação de Mulheres Brasileiras; Dulce Xavier, das Jornadas Brasileiras pelo Direito ao Aborto Legal e Seguro; e Tatau Godinho, da Marcha Mundial de Mulheres.

Entre as especialistas internacionais estarão Lílian Abracinskas, da organização Mujer y Salud en Uruguay, Rossina Guerrero Vásquez, do Centro de Promoción y Defensa de los Derechos Sexuales y Reproductivos, do Peru, e Irela Francyleth Alemán, do Centro Nicaragüense de Derechos Humanos.

Lílian apresentará as estratégias que estão em curso no Uruguai para impulsionar a aprovação do projeto de lei em defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva, incluindo a despenalização do aborto até 12 semanas de gestação. O projeto já foi aprovado pela Câmara de Senadores em novembro do ano passado e agora está aguardando debate na Câmara de Deputados.

Rossina tratará de fazer um histórico sobre a situação do aborto no Peru, refletindo sobre os efeitos os efeitos que as políticas conservadoras internacionais têm sobre as agendas nacionais e as estratégias de alianças feitas nos últimos tempos para a luta pela descriminalização do aborto e o cumprimento do aborto legal. Além disso, falará sobre as investigações sobre grupos conservadores que têm sido uma ferramenta contra o conservadorismo/fundamentalismo nas políticas públicas no que diz respeito à sexualidade e autonomia reprodutiva.

O ato em solidariedade às mulheres condenadas por fazer aborto acontece no dia 26 de setembro, às 13h30, na Praça Ramos de Azevedo, no Centro de São Paulo. Haverá uma caminhada até o Tribunal de Justiça. No mesmo dia será lançado o manifesto de criação de uma Frente Nacional pela Legalização do Aborto, com a participação de entidades e movimentos e populares.

O evento é promovido pelas seguintes organizações: Ipas Brasil, SOS Corpo, CFEMEA, Articulação de Mulheres Brasileiras, Jornadas pelo Direito ao Aborto Legal e Seguro, Comissão de Cidadania e Reprodução, Católicas pelo Direito de Decidir, Marcha Mundial de Mulheres, Instituto Patrícia Galvão, CLADEM/ Brasil e Rede Saúde.

Seminário: Estratégias Latino-Americanas pela Legalização do Aborto e Autonomia Reprodutiva das Mulheres
Dias: 24 e 25 de setembro, a partir das 9h
Local: Ação Educativa (Auditório) - Rua General Jardim 660 - Vila Buarque
São Paulo, SP
Inscrições para o seminário pelo e-mail:
seminario@cfemea.org.br

Ato em solidariedade às mulheres condenadas por fazer aborto
Dia: 26 de setembro, às 13h30
Local: Praça Ramos de Azevedo, Centro, São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário