15 de mar de 2010

Assistências ao parto e Nascimento domiciliar no SUS reúnem especialistas e parteiras na Paraíba

Integrar as parteiras tradicionais e os serviços do SUS, afim de que as parteiras sejam reconhecidas como atrizes na promoção e na atenção à saúde. Esse é o objetivo de um encontro de parteiras realizado pelo Grupo Curumim e o Ministério da Saúde, em parceria da Secretaria de Saúde da Paraíba e apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). A ação, intitulada “Encontro Estadual Parteiras Tradicionais: Inclusão e melhoria da qualidade da assistência ao Parto e Nascimento Domiciliar no SUS", começa hoje (15) e vai até a próxima sexta-feira (19), no Hotel Victor’s Center, município de Guarabira, na Paraíba.

Ao todo, serão 50 participantes, entre elas parteiras tradicionais, indígenas e quilombolas, vindas dos municípios de Alagoa Grande, Nova Olinda, Taperoá, Casserengue, Santana dos Garrotes, Vieirópolis, Catingueira, Baia da Traição, Marcação, Rio Tinto, Aroeiras. Também estarão presentes representantes do Ministério da Saúde, gestoras municipais e estaduais, técnicas e representantes de ONGs, incluindo a Cunhã Coletivo Feminista.

Para a enfermeira e coordenadora do Grupo Curumim, Paula Viana, é fundamental que haja integração entre a parteira e os serviços de Saúde. "Na Paraíba, há uma forte resistência do setor médico conservador em apoiar essa profissional que atua respeitando a escolha das mulheres. Além disso, em alguns municípios, não existe outra pessoa para acompanhar a gestação e realizar o parto a não ser parteira. Com isso, a integração dessa profissional ao SUS é importante como estratégia de promoção da saúde e de redução da mortalidade materna e neonatal", afirma.

Durante o encontro, serão apresentadas a versão preliminar da Norma Técnica do Ministério da Saúde e as experiências nacionais na efetivação de políticas para a inclusão do parto domiciliar no SUS. Além disso, as participantes vão elaborar o Plano de Ação da Rede Colaboradora estadual, entre outras ações.

Na Paraíba, entre os anos de 2001 e 2005, o Programa Trabalhando com Parteiras Tradicionais, do Ministério da Saúde, realizado em parceria com o Grupo Curumim, promoveu capacitações e encontros para 50 parteiras e 44 profissionais de saúde de vários municípios. No Estado, há altos índices de partos cesarianos. De acordo com dados do DATASUS/Ministério da Saúde, em 2008, quase 50% dos partos foram realizados através da cesárea, o que expõe as mulheres e os bebês há mais riscos.

O Grupo Curumim desenvolve o Programa Parteira, que propõe e incide nas definições de políticas públicas de saúde para a inclusão do parto domiciliar assistido por parteiras tradicionais no conjunto da atenção integral à saúde da mulher no Brasil. O encontro de parteiras faz parte da Campanha de 20 anos do Grupo Curumim: "Por todas as Mulheres. Por todos os Direitos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário